A Semana Maior – fonte de recomeço

A celebração desta Semana Santa convida-nos a olhar para a tragédia da cruz que continua a ocorrer a cada dia. Se celebrássemos a memória da cruz de Jesus indiferentes a essas crucificações atuais, a nossa celebração não passaria de um cínico exercício de hipocrisia religiosa.

Neste ano, novamente, as comunidades cristãs terão de celebrar a Semana Santa ainda sob o peso da pandemia que se torna cada vez mais ameaçadora. A orientação justa é celebrar em casa e nos unirmos à nossa comunidade por televisão ou internet. É pena não podermos celebrar o memorial da ceia de Jesus, da sua cruz e da sua ressurreição na comunhão concreta dos irmãos e irmãs de fé. No entanto, a nossa reflexão tem de ir além das contingências e a melhor celebração desta Páscoa será a resistência e o testemunho de solidariedade às pessoas mais fragilizadas.

Neste ano de 2021, mais uma vez a celebração cristã da Páscoa coincide com a celebração da Peshá judaica. Em todas as sinagogas do mundo, a festa da Páscoa começou no sábado 27 de março e vai até o próximo sábado. Esta festa que o Judaísmo chama “a festa da nossa libertação” lembra a todo ser humano a sua vocação para a liberdade.

Nestes dias que a tradição cristã chama de Semana Santa, as Igrejas recordam a última semana de Jesus em Jerusalém para celebrar a Páscoa. Jesus celebrou a Páscoa como todo judeu praticante. No entanto, no seu tempo, a Páscoa proposta pelo livro do Êxodo tinha-se transformado numa grande festa comercial, centralizada no templo e para fortalecer o poder e a riqueza dos sacerdotes. Por isso, Jesus quis dar à Páscoa um novo sentido que retomasse a espiritualidade libertadora do Êxodo e, ao mesmo tempo, a estendesse a toda a humanidade.

Imbuídos deste espírito, na próxima quinta-feira, iniciaremos a celebração cristã da Páscoa recordando a última Ceia de Jesus, profecia de partilha e doação de vida, apelo de unidade para toda a humanidade. Na sexta feira santa, celebraremos a Páscoa da Cruz. Olhamos a paixão de Jesus, tomando formas novas nas cruzes de todos os oprimidos e oprimidas deste mundo e na dor da nossa mãe Terra. Na noite do sábado e madrugada do domingo, mesmo em casa e, portanto, de forma doméstica e laical, celebremos a vigília, mãe de todas as vigílias da Igreja.

Reunir-nos, mesmo virtualmente, para celebrar esta vigília, na amizade do grupo do qual participamos será como se ajudássemos a madrugada a nascer e despertássemos o Sol da Justiça para recriar o mundo e renovar nosso ser engravidando-o de ressurreição.

A celebração desta Semana Santa convida-nos a olharmos para fora das Igrejas a tragédia da cruz que continua a ocorrer a cada dia, ao lado da nossa porta. Embora toda dor humana mereça solidariedade, consideramos como prolongamento da cruz de Jesus todo sofrimento físico ou psicológico, decorrente da missão para transformar o mundo. Também as angústias e dores que decorrem de uma sociedade que perdeu o coração.

Se celebrássemos a memória da cruz de Jesus indiferentes às crucificações atuais, a nossa celebração não passaria de um cínico exercício de hipocrisia religiosa. No meio do agravamento desta pandemia, sentindo diariamente a fragilidade da vida, esta Páscoa deve ser profecia que nos dê força de resistência e clareza sobre a nossa missão na realidade atual.

Antigamente, éramos educados a compreender a morte e a ressurreição de Jesus como se fosse um drama em dois atos. Ele foi morto e, no terceiro dia, Deus lhe deu uma vida nova. A espiritualidade libertadora ensina-nos que a nossa fé será pascal se conseguirmos ver na própria cruz e mesmo na morte do Cristo e do povo, os sinais da força divina que vence a morte e aponta para a ressurreição como vitória da vida.

Seja Assinante

Promovemos Freamunde em todo o mundo. ASSINE aqui e, por 25 euros ano, tenha acesso a todos os conteúdos sem limite.

Não excluímos ninguém. Se não pode pagar o valor acima indicado, visite-nos ao sábado entre as 10 e as 12h00, na Rua do Comércio 125, em Freamunde, para encontramos uma solução.