ESTAMOS
À ESPERA
casa das artes
2 anos 9 meses 3 semanas 4 dias

Candeeiro – a falta que tu me fazes!

Querido amigo Candeeiro, hoje aqui para dar graças a Deus pelo teu aniversário e agradecer a alegria de ser freamundense que sempre partilhaste comigo. E dizer-te que tenho umas saudades danadas de ti agora que o prazer da tua vida de gritar aos golos do nosso Freamunde te está vedado, por razões de idade e de saúde.

Aprendi a insultar o árbitro com as tuas palavras no Carvalhal e sempre te cumprimentei com carinho no novo estádio onde te encontrava na primeira fila. Dali caminhavas no corredor, atento às jogadas da equipa, acordando tantas vezes o treinador e orientando o juiz de linha por quem sempre tiveste uma predileção especial.

Saudades da tua presença, das tuas palavras, do teu afago pelos amigos e de te ver de braços abertos no fim do jogo dando glória a Deus e a Freamunde pela alegria que sentias no momento da vitória.

No café Popular e depois no Teles (tu não sabes, mas eu lembro-me) era eu um miúdo à procura da vida, e gostava de te ouvir no início de cada época, quando o meu pai te perguntava como ia ser no novo ano:

  • “Vamos subir senhor Meireles, uma equipa de outro mundo”

O teu optimismo e a crença em Freamunde faz-me muita falta.

Também te quero dizer que me ensinaste a gostar da nossa banda. Pelo Santo António, Senhora da Conceição e outras festas maiores aprendi a ouvir e a admirar a batuta do Toninho Nogueira e a apreciar a descida dos músicos do coreto, entre palmas. Nessa altura, tu não sabes mas eu lembro-me, abeirava-me de ti para ouvir a tua sentença: “cabazada de 5-0”.

Fazes parte da minha memória eterna, resides lá ao lado de familiares meus e amigos teus. És eterno por gostares de Freamunde sem nunca teres pedido nada em troca.

Parabéns, felicidades para ti e a tua família. E obrigado.

Arnaldo Meireles – Rádio Freamunde 

NB – O facebook “informou-me” deste aniversário que afinal é do filho António! Parabéns na mesma. Também para Maximino que se revê na sua criação – aqui lembrada por nós. O nosso Maximino Candeeiro é superior à medidas das coisas. Mas aqui fica a correcção.