ESTAMOS
À ESPERA
casa das artes
2 anos 9 meses 3 semanas

Os alienados e a indiferença

Os aliens habitam a terra desde sempre. Ponto. Não, isto não é teoria da conspiração. Os aliens vivem aqui, desde que o mundo é mundo e desde que existe vida na terra. Não acreditam? Pois então, façamos um breve exercício de raciocínio:

A palavra alien, apesar inglesa, deriva do latim. Em latim eram usadas duas expressões para falar do não-eu. O não-eu, o poder ser “alter”, que significa “outro”, ou o alius, que significa estranho, de onde vem a origem da palavra alienígena (alien, em inglês), “alheio” ou “alienação”.

Como vêm, os alienados ou aliens existem e são muitos.

E o que é um alienado? Como vive um alienado? Como é a vida do alienado?

Esta espécie cada vez se multiplica mais. O alienado vive, alimenta-se, trabalha como todos nós. Porém, tudo o que faz, fá-lo sem colocar propósito em cada ato que pratica. Ele não pertence a si mesmo.

Levanta-se todas as manhãs à mesma hora, toma o seu pequeno-almoço, trabalha, almoça, volta para casa, vê um pouco de televisão (que lhe tira o trabalho sobre formular opinião sobre todos os assuntos), janta e dorme. Eventualmente faz amor com o seu parceiro/a. Mas sempre alheado.

Um alheado não põe a alma naquilo que faz. Fá-lo mecanicamente, porque alguém lhe disse que assim seria o melhor para todos. E se é o melhor para todos, é o melhor para si…

No seu trabalho, por exemplo, faz as suas tarefas, executa-as na maior perfeição. No entanto, não compreende porque as faz, qual o propósito da sua função. Ele sente que é apenas uma ferramenta para que algo aconteça, mas não tem poder de decisão sobre os destinos das suas ações. 

E mesmo nas alturas em que deve estar mais conectado com o que o rodeia, ter espírito crítico, colocar a sua alma na vida que tem, este permanece um “alien”. Tanto que muitos se recusam a atuar em algumas atividades que sejam danosas à vida coletiva. Envolver-se com política, por exemplo.

“Não me vou envolver porque tenho um negócio”, “Não me vou meter nisso porque preciso viver bem com todos…”, “não vou dizer o que penso porque podem achar que sou contra…”. Quantas vezes ouvimos isto?

São os alheados ou aliens desta terra. Que não se envolvem porque preferem viver confortavelmente (ou não), sem pensar muito, agindo previsivelmente, mas que vivem sem um propósito. 

Por isso, quando digo que os aliens existem, é mesmo verdade. Viver alheados do que nos rodeia é ser um ET. É ser alguém que prefere seguir alguém, do que trilhar o seu próprio caminho e propósito de vida. É alguém que fica confortavelmente à sombra de quem decide tudo, pensa por ele, age por ele, e esse alien, apenas existe. Não vive, existe!

Gabriela Torres