ESTAMOS
À ESPERA
casa das artes
2 anos 9 meses 3 semanas

Guterres – solução militar não resolve conflito da Ucrânia

 Ao iniciar seu segundo mandato como secretário-geral da ONU, António Guterres disse nesta quinta-feira que o mundo está pior em muitos aspectos do que há cinco anos por causa da pandemia de COVID-19, a crise climática e as tensões geopolíticas que desencadearam conflitos em todos os lugares – mas, ao contrário do presidente dos EUA, Joe Biden, ele acha que a Rússia não invadirá a Ucrânia.

Guterres disse em entrevista à Associated Press que o apelo pela paz que ele emitiu em seu primeiro dia no cargo mais alto da ONU em 1º de janeiro de 2017 e suas prioridades em seu primeiro mandato de tentar prevenir conflitos e combater as desigualdades globais, o COVID -19 crise e um planeta em aquecimento não mudaram.

“O secretário-geral da ONU não tem poder”, disse Guterres. “Podemos ter influência. Eu posso persuadir. Posso mediar, mas não tenho poder”.

Antes de se tornar chefe da ONU, Guterres disse que imaginava o cargo como “um convocador, um mediador, um construtor de pontes e um corretor honesto para ajudar a encontrar soluções que beneficiem todos os envolvidos”. Ele disse na quinta-feira que essas são coisas que “preciso fazer todos os dias”.

Como exemplo, o secretário-geral disse esta semana que conversou com o enviado da União Africana Olusegun Obasanjo, duas vezes com o presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, e uma vez com o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, na sua tentativa de conseguir o fim das hostilidades na Etiópia entre o governo e forças na região de Tigray em apuros.

“Espero que estejamos em uma situação em que seja possível em breve cessar as hostilidades e é aí que estou concentrando a maior parte dos meus esforços”, disse Guterres.

Sobre a questão que está em primeiro plano em todos os países agora – se a Rússia, que concentrou 100.000 soldados na fronteira da Ucrânia, invadirá a antiga república soviética – Guterres disse: “Não acho que a Rússia invada a Ucrânia, e espero que minha crença esteja correta .”

O que o faz pensar que Moscovo não invadirá quando Biden e outros acreditam que o presidente russo, Vladimir Putin, enviará tropas para a Ucrânia?

“Porque não acredito numa solução militar para os problemas que existem, e acho que a forma mais racional de resolver esses problemas é através da diplomacia e do diálogo sério”, disse Guterres, sublinhando que uma invasão teria “terríveis consequências.”

O secretário-geral disse que “estamos em contacto, é claro” com altos funcionários da Rússia, embora a ONU não esteja diretamente envolvida na crise na Ucrânia.

Guterres está programado para fazer um discurso aos 193 países membros da ONU na Assembleia Geral na sexta-feira sobre suas prioridades para 2022.

Ele destacou três prioridades imediatas que “me preocupam enormemente”: a falta de vacinação em grandes partes do mundo, especialmente na África; a necessidade de reduzir as emissões em 45% nesta década para tentar cumprir a meta internacional de tentar limitar o aquecimento global futuro a 1,5 graus Celsius (2,7 graus Fahrenheit); e a situação financeira “extremamente injusta” do mundo que favorece os países ricos.

Muitos países em desenvolvimento têm poucos recursos, dívidas altas que estão crescendo e pagam juros muito mais altos do que na Europa ou na América do Norte, não têm vacinas e “sofrem desproporcionalmente os impactos das mudanças climáticas”, disse Guterres.

“Precisamos de uma reforma profunda em nosso sistema financeiro internacional para garantir que haja mais justiça na maneira como os recursos estão disponíveis para permitir que a recuperação (do COVID-19) seja possível em todos os lugares”, disse ele.

Noutra questão importante, Guterres enfatizou que o povo afegão não pode ser punido coletivamente por “coisas erradas que são feitas pelo Talibã”, por isso é absolutamente essencial aumentar massivamente a ajuda humanitária “porque os afegãos estão em uma situação desesperadora com o riscos de mortes por fome” e doenças em um inverno gelado com COVID-19.

“Mais da metade da população precisa desesperadamente de ajuda humanitária”, disse ele, e o dinheiro precisa ser injetado na economia para garantir que os bancos afegãos funcionem e que médicos, professores, engenheiros e outros trabalhadores sejam pagos para evitar o colapso económico do país.