ESTAMOS
À ESPERA
casa das artes
2 anos 9 meses 3 semanas 4 dias

UCRÂNIA – Explicação do que está a acontecer

Quando o presidente russo, Vladimir Putin, autorizou tropas a cruzar a fronteira da Ucrânia em regiões controladas por separatistas apoiados pela Rússia, a Casa Branca inicialmente parou de chamar isso de invasão. Isso mudou na terça-feira, e os principais aliados da Europa se juntaram para dizer que Putin cruzou a linha vermelha.

“Este é o começo de uma invasão russa da Ucrânia”, disse o presidente Joe Biden. O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, foi igualmente explícito.

“Vimos ontem à noite que mais tropas russas entraram no Donbas em partes de Donetsk e Luhansk”, disse ele na terça-feira, referindo-se às duas áreas da região leste do Donbas da Ucrânia controladas por separatistas apoiados pela Rússia. “O que vemos agora é que um país que já foi invadido está sofrendo novas invasões.”

Mas nem todas as invasões são vistas como iguais. Questionado se a decisão de Putin de enviar o que ele chamou de “mantedores da paz” equivale a uma invasão, o chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, disse: “Eu não diria que é uma invasão completa, mas as tropas russas estão em solo ucraniano. .”

O uso do termo “invasão” é importante neste caso porque prepara o terreno para o que Biden disse que poderia se tornar múltiplas ondas de sanções económicas, em coordenação com aliados da NATO e outros países que veem a agressão de Putin como uma violação do direito internacional e uma ameaça para embaraçar a Europa.

As sanções são a principal ferramenta do Ocidente para reagir, porque eles descartaram a possibilidade de enfrentar a Rússia militarmente.

O QUE ESTÁ ACONTECENDO NO TERRENO NA UCRÂNIA?

A imagem é sinistra e não totalmente clara. Putin disse na segunda-feira que a Rússia reconheceu a independência das regiões rebeldes “em fronteiras que existiam quando proclamaram” sua independência em 2014. Isso constitui território controlado pelo exército ucraniano. Putin também emitiu um decreto autorizando o uso do que ele chamou de forças de paz naquela região, embora as autoridades russas não tenham confirmado que as tropas cruzaram a fronteira em resposta ao decreto.

Separadamente, os legisladores russos concederam a Putin permissão para usar as forças armadas no exterior, aumentando o medo de uma grande invasão, incluindo uma operação destinada a derrubar o governo de Kiev.

ISSO É UMA INVASÃO?

É difícil ver isso como algo além de uma invasão, embora as pessoas possam discutir sobre a terminologia. As divergências desapareceriam se, como muitos esperam, Putin lançar uma ofensiva em grande escala para derrubar Kiev.

Biden disse que desafia a lógica pensar que Putin fez preparativos militares tão extensos, incluindo colocar mais de 150 mil soldados na fronteira e transferir suprimentos de sangue para essas áreas, por outros motivos que não a invasão de seu vizinho. “Você não precisa de sangue a menos que planeje começar uma guerra”, disse Biden.

Mary Ellen O’Connell, professora de direito de Notre Dame e especialista em direito internacional e uso da força, diz que qualquer travessia de uma fronteira nacional com forças militares é ilegal, mesmo que seja chamada de outra coisa que não invasão.

“Uma resposta legal é medida pela escala e pelos efeitos da incursão”, disse ela. “Usar a força para assumir o controle de um país inteiro, deslocar um governo e forças militares leais a ele é a forma mais extrema de violação.”

QUAL FOI A RESPOSTA INICIAL DE WASHINGTON?

Depois que Putin delineou sua justificativa na segunda-feira para reconhecer a independência das áreas de Donetsk e Luhansk, um funcionário da Casa Branca questionou se a ação de Putin constituiu uma invasão militar. A autoridade disse que as tropas russas estão operando nas áreas controladas pelos rebeldes há oito anos sem admitir isso. “Agora, parece que a Rússia vai operar abertamente naquela região e vamos responder de acordo”, disse o funcionário.

O QUE WASHINGTON FAZ EM SEGUIDA?

Depois de declarar publicamente que a Rússia invadiu novamente a Ucrânia, a questão é até onde Biden irá responder. Ele deixou claro que não enviaria tropas americanas para a Ucrânia, mas na terça-feira disse que ordenou a transferência de tropas americanas baseadas na Europa para três membros da Otan que se sentem mais vulneráveis ​​a um possível ataque russo: Estónia, Letónia e Lituânia. Esses três estados bálticos foram anexados por Moscovo após a Segunda Guerra Mundial e recuperaram a sua independência após o colapso da União Soviética em 1991.

Biden anunciou pesadas sanções financeiras contra bancos e oligarcas russos e disse que mais sanções seriam impostas se Putin estendesse sua invasão. A reação global contra os movimentos de Putin na Ucrânia foi rápida, com pouca discussão sobre a legalidade.

“Moscovo agora passou de tentativas secretas de desestabilizar a Ucrânia para uma ação militar aberta”, disse Stoltenberg a repórteres na terça-feira. “Esta é uma grave escalada da Rússia e uma violação flagrante do direito internacional.”

AS TROPAS RUSSAS PARARÃO NA INVASÃO DA UCRÂNIA?

Putin não deu nenhuma indicação de que pretende iniciar uma guerra em território da NATO, mas as nações aliadas ainda se preocupam. É por isso que o governo Biden enviou 4.700 soldados adicionais para a Polónia este mês e montou um quartel-general militar mais robusto na Alemanha, ao mesmo tempo em que transferiu 1.000 soldados da Alemanha para a Roménia.

Stoltenberg disse que os aliados da Otan têm mais de 100 aviões a jato em alerta máximo e mais de 120 navios de guerra prontos no mar, do Círculo Ártico ao Mar Mediterrâneo. “Todas as indicações são de que a Rússia continua planejando um ataque em grande escala à Ucrânia”, disse Stoltenberg.

—————————-