ESTAMOS
À ESPERA
casa das artes
2 anos 9 meses 3 semanas

Ucrânia – guerra económica antes do primeiro disparo

Publicamente, os Estados Unidos e aliados europeus prometeram atingir a Rússia financeiramente como nunca antes, se Putin enviar os seus militares para a Ucrânia. Os líderes deram poucos detalhes concretos ao público, argumentando que é melhor manter o próprio Putin na dúvida.

E semanas após o início das negociações, está longe de ser claro se os americanos conseguiram alcançar o consenso dos EUA e da Europa sobre quais sanções serão impostas e o que as desencadearia.

Veja algumas das ações financeiras em consideração:

RETALIAÇÃO RÁPIDA

Para os EUA e seus aliados europeus, cortar a Rússia do sistema financeiro SWIFT, que embaralha dinheiro de banco para banco em todo o mundo, seria uma das medidas financeiras mais difíceis que poderiam tomar, prejudicando a economia da Rússia imediatamente e no longo prazo. A medida pode cortar a Rússia da maioria das transações financeiras internacionais, incluindo os lucros internacionais da produção de petróleo e gás, que representam mais de 40% da receita do país.


Aliados de ambos os lados do Atlântico também consideraram a opção SWIFT em 2014, quando a Rússia invadiu e anexou a Crimeia da Ucrânia e apoiou forças separatistas no leste da Ucrânia. A Rússia declarou então que expulsá-lo do SWIFT seria equivalente a uma declaração de guerra. Os aliados – criticados desde então por responderem muito fracamente à agressão da Rússia em 2014 – arquivaram a ideia.

Desde então, a Rússia tentou desenvolver seu próprio sistema de transferências financeiras, com sucesso limitado. Os EUA conseguiram antes persuadir o sistema SWIFT a expulsar um país – o Irão, por causa de seu programa nuclear.

Mas expulsar a Rússia do SWIFT também prejudicaria outras economias, incluindo as dos EUA e a Alemanha, aliada chave. Parlamentares dos EUA disseram na semana passada que o governo Biden ainda está analisando o quão ruim seria esse impacto. Annalena Baerbock, a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, questionada por repórteres sobre a proposta de proibição russa do SWIFT, parecia expressar dúvidas. “O bastão mais duro nem sempre será a espada mais inteligente”, disse Baerbock.


COMPENSAÇÃO DE DÓLARES

Os Estados Unidos já possuem uma das armas financeiras mais poderosas para usar contra Putin se ele invadir a Ucrânia – bloqueando o acesso da Rússia ao dólar americano. Os dólares ainda dominam as transações financeiras em todo o mundo, com trilhões de dólares em jogo diariamente.

Em última análise, as transações em dólares americanos são compensadas pelo Federal Reserve ou por instituições financeiras dos EUA. Crucialmente para Putin, isso significa que os bancos estrangeiros precisam ter acesso ao sistema financeiro dos EUA para liquidar transações em dólares.
——————————————————————————————————————————————————————–A capacidade de bloquear esse acesso dá aos Estados Unidos a capacidade de infligir problemas financeiros muito além de suas fronteiras. Anteriormente, os EUA suspenderam instituições financeiras da compensação de dólares por supostamente violarem sanções contra Irã, Sudão e outros países.

Biden indicou aos repórteres que cortar a capacidade da Rússia e dos russos de negociar em dólares era uma das opções que os EUA estavam estudando. Ao contrário da opção SWIFT e de outras medidas financeiras, é uma que os EUA poderiam fazer por conta própria. Muitos russos e empresas russas ficariam impedidos de realizar até mesmo as transações mais rotineiras, como fazer folha de pagamento ou comprar coisas, porque não teriam acesso ao sistema bancário dos EUA.


CONTROLES DE EXPORTAÇÃO

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, confirmou que os EUA estão considerando impor controles de exportação – potencialmente cortando a Rússia da alta tecnologia que ajuda aviões de guerra e jatos de passageiros a voar e torna smartphones inteligentes, juntamente com outros softwares e equipamentos eletrônicos avançados que tornam o moderno corrida mundial.

Isso pode incluir adicionar a Rússia ao grupo mais restritivo de países para fins de controle de exportação, junto com Cuba, Irão, Coreia do Norte e Síria, disseram autoridades.

Isso significaria que a capacidade da Rússia de obter circuitos integrados e produtos contendo circuitos integrados seria severamente restringida, devido ao domínio global do software, tecnologia e equipamentos dos EUA. O impacto pode se estender a aviônicos de aeronaves, máquinas-ferramentas, smartphones, consoles de jogos, tablets e televisores.

Essas sanções também podem visar a indústria russa crítica, incluindo seus setores de defesa e aviação civil, que atingiriam as ambições de alta tecnologia da Rússia, seja em inteligência artificial ou computação quântica.

Como algumas das outras penalidades em consideração, as restrições de exportação dos EUA arriscariam motivar as empresas a procurar alternativas em outros países, incluindo a China.

MERCADOS DE OBRIGAÇÕES

O governo Biden limitou a capacidade da Rússia de pedir dinheiro emprestado ao proibir as instituições financeiras dos EUA de comprar títulos do governo russo diretamente de instituições estatais no ano passado. Mas as sanções não visaram o mercado secundário, deixando isso como um possível próximo passo.

CANO DE GÁS NATURAL NORDSTREAM 2:

Republicanos e democratas no Congresso lutaram durante anos contra o novo gasoduto Nord Stream 2 da Rússia para a Alemanha, argumentando que ajudaria a Rússia a usar seu controle do fornecimento de gás como alavanca para alcançar seus objetivos políticos na Europa. Projetos de lei rivais no Congresso sancionariam os operadores do oleoduto – os republicanos querem impor as sanções imediatamente, mas os democratas apenas se a Rússia invadir a Ucrânia.

O governo Biden já havia evitado esse nível de sanções, para evitar entrar em conflito com a aliada Alemanha.

Autoridades alemãs dizem que bloquear a operação do oleoduto se a Rússia se mudar para a Ucrânia estaria “na mesa” se houver uma invasão – mas isso é até onde eles chegaram publicamente.